Por que criar uma fonte digital?

Escolher a fonte correta para um projeto e saber como usá-la da forma mais adequada para transmitir a informação é com certeza uma das principais responsabilidades de um designer gráfico.

Mas criar essas fontes digitais também é um trabalho para o Super Designer? Sim, por que não?

Muitos profissionais têm se dedicado a esta área da Tipografia. No Brasil temos nomes de destaque como Cláudio Rocha, Crystian Cruz, Eduílson Coan , Fábio Haag, Fábio Lopez, Fátima Finizola, Priscila Farias, Ricardo Esteves, e Tony de Marco. Alguns dividem seu tempo entre atividades de ensino, pesquisa e design editorial. Outros dedicam-se integralmente ao typedesign, comprovando que já é possível obter reconhecimento e construir uma carreira neste setor. O mercado nacional tem melhorado e grandes empresas buscam profissionais para criar sistemas tipográficos proprietários, ou seja, exclusivos para o uso destes clientes. Outra forma de ganhar dinheiro e reconhecimento é a venda de fontes ou famílias tipográficas no varejo, por meio de sites como MyFonts e FontShop, por exemplo.

Independente do possível retorno financeiro ou destaque profissional que a criação de uma fonte possa dar a um designer gráfico a experiência por si só já vale a pena. Todo o processo de desenvolvimento de uma fonte digital, estudos de proporção, harmonia entre os caracteres, expressão e legibilidade são com certeza uma ótima forma de ensinar ao designer como usar e valorizar as fontes digitais existentes. E também uma maneira de despertar o interesse por este mercado em expansão.

Foi com esse objetivo que se propôs aos alunos de Design da UFSC criar uma fonte digital na disciplina de Tipografia. Para que pudessem experimentar o processo, compreender as dificuldades envolvidas, mas também as possibilidades e buscar um bom resultado. Partindo de um tema geral, Fonte Display – para uso em tamanhos maiores e pouco volume de texto – e seguindo a metodologia proposta por Fontoura e Hammerschmidt (2011) e a derivação de caracteres apresentada por Buggy (2007) os alunos tiveram liberdade para buscar inspiração e criar suas fontes digitais. Também desenvolveram type specimens para apresentação das fontes.

Fonte Anitta

As alunas Rafaela de Conto e Mariana Popper criaram uma fonte inspirada em bojos/decotes e batizaram como Anitta. A fonte foi publicada no site DaFont para uso gratuito e em 2 meses já teve 5.000 downloads.

fontes_alunos

Algumas fontes display desenvolvidas pelos alunos de design da UFSC.

O projeto Fonte Display resultou em 18 fontes desenvolvidas com os temas mais variados. Os alunos usaram desde referências vernaculares como cartazes de supermercado e rabiscos em paredes de banheiro até a inspiração em dragões, objetos e animações como Hora de Aventura.

No próximo semestre o projeto vai se repetir e com certeza outros bons resultados virão. Aguarde!

Referências

  • BUGGY, Leonardo Araújo da Costa.O MECOTipo: método de ensino de desenhocoletivo de caracteres tipográficos. Recife: edição do autor, 2007.
  • FONTOURA, Antonio Martiniano e HAMMERSCHMIDT, Christopher. Notas para uma metodologia do design de tipos. In. 5° Congresso Internacional de Design da Informação, 2011, Florianópolis. Disponível em: http://www.academia.edu/4025069/Notas_para_uma_metodologia_do_design_de_tipos. Acesso em: 27 de janeiro de 2014.
Anúncios

Um comentário sobre “Por que criar uma fonte digital?

  1. Pingback: O processo de uma fonte digital | TIPOS&textos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s